Control Quality

Facebook

Fiocruz usa parasita da doença de Chagas para prevenir diabetes

Categorias:

Cientistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, descobriram que o parasita causador da doença de Chagas pode ser usado na prevenção de outra doença sem cura: o diabetes tipo 1, que atinge 1 milhão de brasileiros.
A descoberta ainda precisa ser testada em seres humanos, mas os pesquisadores estão otimistas. 
O diabetes tipo 1 é uma doença autoimune cujo corpo ataca as células do pâncreas que produzem insulina. O hormônio é responsável pela quebra das moléculas de glicose para transformá-las em energia. Quando não há produção de insulina, a quantidade de açúcar no sangue aumenta e as consequências podem ser problemas na visão, nos rins e no coração. 
A descoberta da Fiocruz, no entanto, foi por acaso. Enquanto pesquisavam a doença de Chagas, os cientistas perceberam que camundongos que recebiam o parasita Trypanossoma cruzi no laboratório não desenvolviam diabetes, mesmo sendo geneticamente propensos a doença.O diabetes tipo 1 atinge principalmente crianças e jovens que se tornam dependentes da insulina a vida inteira para controlar a doença. 
Os testes começaram em 2005 e a equipe da Fiocruz, em parceria com a Faculdade de Medicina de Petrópolis, está otimista com os resultados. O diabetes não se manifestou em nenhum animal testado. 
Segundo José Mengel, pesquisador da Fiocruz, o parasita mostrou ser “uma proteção extremamente robusta”. 
“Você continua tendo uma proteção muito alta, em torno de 100%, mesmo quando você usa uma droga que desencadeia o diabetes nesses camundongos”, afirma Mengel. 
O segundo passo do estudo é identificar e isolar a substância produzida pelo parasita, capaz de proteger o organismo, para poder usá-la em pacientes sem infectá-los com a doença de Chagas. 
A expectativa dos pesquisadores é que no futuro a descoberta feita no laboratório se torne o primeiro remédio capaz de prevenir a doença. 
“As pessoas que já tem pais que apresentam a doença, a gente sabe de antemão que eles têm mais chances de desenvolver o diabetes tipo 1, ou seja, você poderia vacinar essas pessoas contra o futuro aparecimento do diabetes tipo 1”, afirma Mengel. 
FONTE: G1 e JORNAL NACIONAL

LEIA TAMBÉM: